Gingival fibroblast dedifferentiation: an option in regenerative dentistry?






Autores: Carlos Miguel Marto, Mafalda Laranjo, Anabela Paula, Ana Margarida Abrantes, Ana Cristina Gonçalves, Ana Bela Ribeiro, António Cabrita, Maria Filomena Botelho, Eunice Carrilho
Instituição: Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra
Valor da bolsa: 200.00€
Apresentação durante o evento World Dental Congress - FDI 2017 em Madrid, Espanha | 2017-08-29

Resumo:
Objetivo: O objetivo deste trabalho é obter células estaminais semelhantes a células estaminais da polpa dentária a partir de fibroblastos gengivais de murganho, através de uma metodologia de desdiferenciação, utilizando um agente de desdiferenciação (AD).
Materiais e Métodos: Foi realizada a colheita de gengiva de murganho Balb/C (macho, 8 semanas) e o explante foi utilizado para obter as culturas primárias de fibroblastos gengivais. Resumidamente, os fragmentos de tecido foram digeridos com tripsina e colagenase tipo I e colocados em placas. Quando uma confluência de 80% foi atingida,
100.000 células/ml foram plaqueadas em placas de 12 poços e deixadas durante a noite para aderirem. Os seguintes grupos experimentais foram
utilizados: (1) controlo negativo, células não tratadas, (2) controlo do veículo, 5μM DMSO; (3) AD 5 μM, uma aplicação, sem alteração de meio; (4) AD 5 μM, aplicada diariamente sem alteração de meio e
(5) AD 5 μM, aplicada diariamente com renovação do meio.
Após 96 horas as células foram analisadas quanto à morfologia (microscopia ótica de células vivas e coradas com violeta de cristal), número de células, eficiência clonogénica (ensaio clonogénico) e análise do ciclo celular (citometria de fluxo com marcação com iodeto de propídio).
Resultados: A aplicação do AD 5 μM, sem (grupo 4) ou com (grupo 5) renovação do meio de cultura, promoveu um aumento no tamanho celular e alterações morfológicas, nomeadamente, aparência esférica e algumas alterações características da morte celular. A aplicação do AD promoveu uma diminuição na proliferação celular e na eficiência clonogénica que é dose-dependente. No entanto, o AD leva a um aumento da fase G2/M e ao aparecimento de uma população com o dobro de quantidade de DNA, provavelmente devido à formação de células tetraplóides.
Conclusão: Estes resultados preliminares apontam que o AD promove com sucesso a desdiferenciação de fibroblastos gengivais, com alterações morfológicas e genéticas compatíveis com um fenótipo tipo célula estaminal. De seguida, a caracterização das células obtidas segundo critérios da Sociedade Internacional para a Terapia Celular será concluída e as células serão usadas para pesquisa em medicina dentária regenerativa.


expandir

Anexos disponíveis

pdf 6.54 MB | Bolsa: poster ou comunicação oral
XXXVIII Congresso Anual da SPEMD Parcerias SPEMD Comemorações de Santa Apolónia 2018
Agenda
fev
27

Noites SPEMD

Injetáveis estéticos e terapêuticos na perspetiva do Médico Dentista

Lisboa

mar
10

Eventos

Comemorações de Santa Apolónia 2018

Hotel Mélia Ria Aveiro

mar
13

Noites SPEMD

Tecnologia digital em implantologia

Porto

mar
16

Congressos patrocinados SPEMD

XXVII Reunião Anual de Medicina Dentária e Estomatologia de Coimbra

Coimbra

mar
16

Congressos patrocinados SPEMD

2º Encontro Latino-Americano de Cronobiologia e Medicina do Sono

Lisboa

© 2000-2018. Todos os direitos reservados