Implant Surfaces manufactured by multi-material laser sintering –In vitro study






Autores: Mariana Cruz, Gabriella Juanito, Joana Marques, Filipe Silva, Mafalda Costa, Julio Souza, Duarte Marques, António Mata, João Caramês
Instituição: Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa
Valor da bolsa: 200.00€
Apresentação durante o evento CED-IADR/NOF Oral Health Research Congress em Viena de Áustria, Áustria | 2017-09-21

Resumo:
O objetivo deste estudo foi avaliar o comportamento de osteoblastos fetais humanos (hFOB1.19) em contato com novas superfícies implantares de Polieteretercetona (PEEK) e Zircónia (Zr).
Materiais e métodos: os discos de PEEK e Zircónia foram produzidos por uma nova técnica de sinterização de pressão. Foram utilizados como controlo discos de Titânio (Ti) puro de grau IV. A homogeneidade da rugosidade superficial foi assegurada para todas as amostras (n = 8 para cada grupo). Os osteoblastos humanos foram cultivados nos discos em estudo durante 15 dias, usando métodos previamente estabelecidos. A morfologia e adesão celulares foram avaliadas por microscopia eletrónica de varrimento (SEM) após 24h de incubação. A viabilidade e proliferação celulares foram determinadas em tempos pré-determinados (1,3,7 e 14 dias) com um método comercial baseado na técnica da resazurina. A atividade da fosfatase alcalina (ALP) foi quantificada aos 7 e 14 dias. Todos os resultados foram apresentados como intensidade média de fluorescência (AU) ± desvio padrão (DP). Os padrões de mineralização foram avaliados com recurso à técnica de coloração por fluorescência da hidroxiapatite. As comparações entre grupos foram testadas com recurso a Anova (post-hoc de Tukey) por um software estatístico apropriado, com diferenças significativas para p <0.05.
Resultados: Em todos os grupos observou-se adesão celular inicial de acordo com as imagens obtidas por SEM, contudo a superfície de Zr revelou extensões intercelulares mais proeminentes. A viabilidade celular aumentou ao longo do tempo em todos os grupos, constatando-se uma maior proliferação celular nos grupos de PEEK (86,4 ± 11,3 UA) e Zr (90,8 ± 29,9 UA) quando comparado com o Titânio (41,5 ± 2,9 AU) aos 14 dias de cultura (p <0.05).
Todos os grupos revelaram um aumento de ALP ao longo do tempo, no entanto não se observaram diferenças estatisticamente significativas (p>0.05).
A análise qualitativa dos padrões de mineralização demonstrou um aumento da fluorescência ao longo do tempo, mais evidente para o grupo de Zr. É de salientar que as imagens relativas ao grupo PEEK foram excluídos devido à fluorescência intrínseca do material.
Conclusão: A nova técnica de produção de materiais à base de Zircônia e PEEK revelou aumento da viabilidade, proliferação e mineralização em culturas de osteoblastos humanos, quando comparado ao Titânio. É preponderante a realização de estudos in vivo para teste destes materiais.


expandir

Anexos disponíveis

pdf 910.67 KB | Bolsa: poster ou comunicação oral
Noites SPEMD XXXVIII Congresso Bolsa de Apoio à Investigação 2018 Patrocínio Científico SPEMD Revista SPEMD XXXVIII Congresso Anual da SPEMD Parcerias SPEMD Formação SPEMD
Agenda
set
13

Noites SPEMD

Microcirurgia endodôntica – procedimentos clínicos

Leiria

set
15

Congressos patrocinados SPEMD

Formação de Auxiliares de Clínica Dentária

Lisboa

set
20

Congressos patrocinados SPEMD

XXV Congresso de Ortodontia da Sociedade Portuguesa de Ortodontia

Porto

out
11

Cursos SPEMD

Remoção de instrumentos separados - Hands-on

Lisboa, FMDUL

out
11

Cursos SPEMD

Goteiras oclusais: Quando, como e porquê?

Lisboa, FMDUL

Junte-se a nós no Facebook e no Instagram
© 2000-2018. Todos os direitos reservados
Termos e Condições